sábado, 24 de janeiro de 2015

PRODUTO: Xícara

Segundo o Dicionário Houaiss, XÍCARA é um substantivo feminino, que tem por definição ser um pequeno recipiente para bebidas quentes, com asa para facilitar a manipulação, ou, Derivação: por metonímia - A quantidade de bebida que comporta; xicarada.


Piccolo Affogato al Caffe

A língua portuguesa herdou essa palavra do Espanhol; jícara (1540) surgida provavelmente do náuatle (língua falada pelos astecas, hoje extinta) xicálli,  que era uma espécie de vasilha. 



O termo xícara usado no Brasil na atualidade, caiu em desuso em Portugal (onde se usa o termo Chávena ou Cup do Inglês), surgindo apenas na literatura, nos romances do século XIX, não é pois um brasileirismo, tornando-se uma arcaísmo em Portugal e usada comumente no Brasil.



Destina-se a servir bebidas como chácaféleitechocolate, entre outras, sendo que existem formatos e medidas apropriadas para cada tipo de bebida. Por exemplo, as xícaras de café são menores que as de chá. No entanto, não existe nenhum padrão estabelecido para essas medidas ou formatos. Tal não impede, contudo, que se utilizem também as xícaras como medidas para ingredientes em receitas culinárias.

Habitualmente, as xícaras são decoradas com motivos (florais, sobretudo) tornando-as, em alguns casos, autênticas obras de arte e objectos de colecção por apreciadores. Noutros casos, são estampadas com logótipos, funcionando como veículo de publicidade, ou outros desenhos para assinalar eventos, pessoas ou locais.



Há vários tipos e específicas para cada ocasião ou tipo de bebida.
  • Café - Menor em capacidade do que a do chá, com tamanho suficiente para acondicionar um "gole" de café, ou a quantidade suficiente para ser degustada sem queimar a boca.
  • Chá - Maior do que a do café em média 200 ml, serve para ser servida em mesas acompanhadas normalmente de torradas a estilo americano, com um acompanhamento, frio por exemplo ou britânico a torrada em si e o chá preto inglês.
  • Chocolate - Apesar de similar ao do chá em volume é maior e o diâmetro é levemente maior.
  • Eventos especiais, como o festival do chá no Japão, não possuem abas ou asas e são circulares, devem ser pegadas com dois dedos no máximo de cada mão e levado suavemente à boca, após um ritual.

xícara japonesa sem asa
Para os designers e artesãos das cerâmicas e louças, um objeto com mil possibilidades de formas e texturas visuais.



Bem como, outras possibilidades de uso, tudo que a criatividade mandar!!!





sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

NOTÍCIA - Revista Design e Educação



É com imenso prazer que lançamos o edital para chamada de trabalhos para nosso primerio periódico científico. A Revista Design & Educação, D&E, é uma publicação dedicada a divulgar reflexões e ações desenvolvidas nos ambientes de ensino superior de Design. Seu objetivo é fomentar as discussões na área e estimular o debate sobre a educação e seus desdobramentos através da publicação de artigos, ensaios, resenhas e entrevistas inéditas, frutos de pesquisa original ou histórica, que tragam contribuição para a área do Design e a Educação.

Editora Serifa Fina - http://www.serifafina.com.br/revista-de/

domingo, 28 de dezembro de 2014

VIDEO - Nature by Numbers

Pra quem sempre pensa que matémática, aritimética, geometria é uma coisa árida e da qual se deve fugir como o diabo foge da cruz, eis um vídeo que mostra a natureza e a beleza dos números.
Vídeo criado por Cristóbal Vila, do Etérea Studio.



Encontrei esse vídeo em uma das palestra da Confraria das Artes Liberais, grupo do Rio Grande do Sul que se aplica em estudar as 7 artes de elevação do conhecimento humano.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

ANIMAÇÃO: BEAUTY uma obra prima!

O animador e filmmaker Rino Stefano Tagliafierro buscou inspiração em pinturas clássicas, e encontrou uma maneira de compartilhar o seu impacto emocional com o mundo.

Rino sempre alcançou a intensidade das emoções que ele encontra através de pinturas clássicas inigualáveis por outras formas de arte. E quando ele sentou-se para criar o seu mais recente curta-metragem, BEAUTY, ele procurou transmitir o impacto emocional da sua arte para um público que não pode ser tocado de outro modo.

"A idéia de BEAUTY nasce do desejo de transmitir as principais emoções que cada pessoa encontra ao longo de sua trajetória de vida", diz Tagliafierro. "Arte clássica sempre atraiu as minhas emoções mais intensas, então eu decidi representá-los."

O projeto resultante, BEAUTY, é um passeio através do ciclo de vida humana - desde o nascimento até a morte - que recorre a essas pinturas clássicas para contar essa história de uma forma absorvente. Ao adicionar animação sutil para as obras de arte que ele escolheu, Tagliafierro retrata ativamente o movimento que está sempre apenas implícito nas peças originais. O resultado é um impressionante e assombrosa série de imagens em movimento que faz com que o trabalho parecer vivo em diferentes - muitas vezes surreal - maneiras.


A possibilidade de que essas imagens poderiam ser bela e chocantes ao adicionar movimento é algo que Tagliafierro estava consciente quando ele concebeu o projeto.

"Eu sempre achei a ideia de mover uma imagem congelada interessante", explicou. "Os movimentos são suspensos em um tempo distante, ou parecem vir da imaginação do espectador."

..."em Beleza, diz ele, "os gestos e olhares dos personagens podem ser surreais e enfeitiçados, e esse aspecto faz parte da minha imaginação - um pouco assustadora e inquieta - que brilha através de todo o meu trabalho. Mas a minha intenção primeira é transmitir as emoções que você sente quando eu me coloco na frente das obras-primas da arte clássica. BEAUTY é uma história emocional, meu foco principal era despertar fortes emoções. Espero que eu tenha conseguido."

A resposta a esse questão e para o espectador individual, mas a diligência de processo de Tagliafierro significa que, se alguém assistir BEAUTY e ficar indiferente, não é por falta de tentativa do autor.


"Eu elaborei as imagens com o software de edição de fotos, e usei cut-out digital", ele explica as técnicas usadas para trazer BEAUTY à vida.
"É um processo meticuloso que consiste em cortar os personagens cortados e separar das partes do fundo, e reconstruir e redesenhar as partes ocultas. Então, eu animei os indivíduos com After Effects."

Então ele passou o trabalho para o designer de som do projeto, Enrico Ascoli - mas, diz ele, "A busca e seleção de imagens durou anos."

O resultado é um filme de nove minutos que se estende por 115 pinturas e a jornada do nascimento à morte. Há muita beleza a ser encontrada nesse trabalho. A lista de pinturas está no fim do vídeo, na parte de créditos.

Por DAN SOLOMO
Tradução livre: Sophia Costa

Confira agora esse fantástico trabalho!



sábado, 14 de junho de 2014

MOTION DESIGN: Música e Design



MUSICA E DESIGN: Motion design é a aplicação dos métodos e ferramentas de design nas mídias que utilizam o movimento como forma de expressão. São eles: o cinema, a tv, o celular, o computador, o tablet, entre outros. Tem como áreas de convergências as técnicas audiovisuais, o design da informação e atualmente o design de interação. Como suportes podem citar: filmes, games, vts, aulas digitais, videoclipes, revistas eletrônicas e muitos outros.

PARA SABER MAIS: http://www.vitaminapublicitaria.com.br/msica-motion-design.html


COISA DE GATO: catcapuccino

Vai um cafezinho? que tal caprichar a apresentação do seu capuccino ou expresso com um belo desenho de gatinho? Stencils próprios para isso onde vc peneira canela ou chocolate na espuma e dá um charme! Usando um material resistente (tipo chapa de radiografia) vc pode criar seus próprios stencils, se não quiser ter trabalho, pode procurar em lojas especializadas, depois basta peneirar chocolate por cima da espuma!!!



segunda-feira, 26 de maio de 2014

PERSONA: André Neves - Livros e Ilustração

Há poucos meses, chego de visita na casa da minha mãe, e lá vem ela toda sorridente:
- “Tenho uma surpresa pra você!” 

E me dá de presente um livro chamado A CALIGRAFIA DE DONA SOFIA.
Não precisa explicar o motivo da compra né! Mas disse ela que passava pelo centro do Recife, e estancou na frente de uma vitrine quando viu o nome do livro, além, é claro, de achar os desenhos bonitos.


Logo de cara me encantei com as ilustrações, e como não poderia deixar de ser, a bela diagramação e textos do livro. Meu olho voltado para o design editorial (quem não sabe, é nessa área que estou envolvida na UFPE) observou os desenhos, a posição dos textos, as tipografias usadas... Cacoete de designer!

Meu irmão chega na sala e comenta:
- Ah! Esse cara é muito bom! Ele faz altas ilustrações e é daqui de Recife.

Ok! Lá vou eu pro Google cavoucar pra descobrir mais...
Eis que agora tive a oportunidade de entrar em contato com o André Neves, o tal que faz as “altas ilustrações” (e bota "altas" niso!!!), para um bate-papo em nosso blog. Espero que gostem!

 

Coisa de Designer: André, quando você começou a desenhar?
André Neves: Desde sempre. Pelo menos é o que guardo de memoria. Profissionalmente por volta de 1998.


CdD: Você tem alguma formação acadêmica?
AN: Minha formação é Relações publicas, ainda em Recife. No mesmo tempo comecei a buscar acompanhamento artístico com artistas locais. Depois, tanto em SP quanto RS, procurei me especializar de forma autônoma e com cursos periódicos de ilustração para infância. Inclusive no exterior - Scuola Internazionale díllustrazioni de Sarmede - Štěpán Zavřel, foi muito importante.

CdD: Quando e como descobriu a ilustração?
AN: A redescoberta do livro para infância surgiu ainda em Recife, quando fiz o estagio final em Relações Publicas. No Espaço Pasargada, a casa do Manuel Bandeira. Espaço cultural que na época cuidava do acervo e memória do autor, da edição e livros editados no estado de Pernambuco, eventos literários e coisas do gênero.

Remédios e seu demonio. editora Callis. 2011

CdD: Que materiais costuma usar em seus trabalhos?
AN: Todos, Isso vem da necessidade artística em relação ao que pretendo contar. Podemos chamar de Técnica Mista.

CdD: Você ilustra mais a mão, ou usa o computador?
AN: A mão, recursos de computadores só para detalhes. Geralmente de composição. Sem alterar o fazer manual.

estudo de técnica para TOM / Capa do catalogo FNLIJ Bologna 2013


CdD: Qual o trabalho que você mais gostou de fazer até hoje?
AN: O último. Livro TOM. Simplesmente por ser o que me dediquei mais, o que busquei inovar, acertar e me reinventar. E sei que será este até o próximo. O próximo pode não ser melhor que o anterior, mas trabalharei com mesmo empenho. 


 

CdD: É conhecido que você tem livros próprios, ilustrados e diagramados por você. Como foi que começou a criar esses livros?
AN: Quando comecei a desacreditar literariamente em alguns trabalhos que havia feito e estava fazendo. Hoje, busco histórias que me encantem, que me inspirem e que me façam sonhar. Tanto minhas quanto de outros escritores. Se não for assim, será um desserviço para literatura.


Entre Nuvens. Editora Brinque Book, 2012


CdD: Muitos estudantes de design e artes tem interesse em trabalhar com ilustrações. Que dicas você daria a esses jovens?
AN: Aprendam a olhar. No caso dos livros, a olhar e a contar por imagem.
Estudar, buscar teorias e cursos que felizmente estão sendo editados e organizados no Brasil.

Le voci dei tan tan. editora cosimo panini 2011

CdD: Agradecemos a gentileza dessa sua pequena entrevista. Para finalizar, que mensagem pessoal você gostaria de passar aos leitores do blog?
AN: Que a leitura visual e a leitura das palavras possibilitam igualmente ampliar o imaginario. Em relação aos livros. Não existe um bom ilustrador que não seja um bom leitor. Leiam!

PARA SABER MAIS:
Scuola Internazionale d'Illustrazione - http://www.sarmedemostra.it/